Programa Sons e Vínculos

Artigo: Qual é a música da sua Empresa?

Negócios também produzem sons. Sons integram equipes. Sons geram resultados surpreendentes e $uce$$o. Duvida?

Empresas como Voith Serviços, Alcoa, Algar, Banco do Brasil, Transpetro/Petrobras, Fast Shop, Flaytour, entre outras, acreditam que o inovador Programa Sons & Vínculos, desenvolvido pela Consultora Helena Ribeiro da Razão Humana, em conjunto com o Maestro José Renato Gimenes, tem treinado suas equipes nas partituras da excelência. Tornando, assim, seu time em compositores de $uce$$o na melodia de sua Empresa.

Mas, afinal, qual é a música da sua empresa?

Apure os ouvidos do time e escute. Avalie o som que está sendo produzido nas diversas áreas. Serão sons harmônicos, criando uma suave melodia, ou estridentes, como os de uma sirene? O ritmo está mais para batidão, balada, nostálgicos, ou…? Não se limite, porém, a seus próprios ouvidos, ouça o time.

Quando alguém é integrante de uma banda, dificilmente consegue escutar o som que sai das caixas viradas para a platéia. É preciso contar com o recurso do retorno, expressão usada pelos músicos. Então, peça emprestados os ouvidos de seus clientes internos e externos, fornecedores, parceiros  e solicitem para que digam, que música eles escutam? Que tipo de sentimentos ela inspira? Ela contagia multidões? Esta nas paradas de $uce$$o?

Bate-estaca

A música traduz como as pessoas agem no ambiente de trabalho e na vida. Muitas empresas vivem um inconsequente frenesi, na era da velocidade e conectividade. Muitas se entregam a um corre-corre sem fim, repetido à exaustão. Só de pensar na cena é possível imaginar o som. Um atordoante bate-estaca mais para balada do que para uma melodia envolvente.

Mas, existem outras pistas para descobrir qual é a trilha sonora da empresa. Examine os comportamentos das pessoas nas reuniões. Todos falam ao mesmo tempo, ninguém escuta ninguém, celulares interrompem as conversas. Também aqui é fácil imaginar  o descompasso da melodia que a turma está “tocando”.

A música de uma empresa é ouvida pelo mercado. Assim, mesmo olhando de fora, os clientes são capazes de identificar do que se trata. Se o que é tocado mantém a afinação ou a dissonância. Se ela é audível ou inaudível. Merece vaias, aplausos, aplausos em pé ou ser ovacionada.

Toada Malemolente

No sentido oposto, existem empresas que produzem réquiens, aquele tipo de música indicada para cerimônias fúnebres. Baseadas em um monte de normas e procedimentos, as decisões são lentas e essa vagareza se estende para as ações. Inovação é uma palavra que não cabe em nenhuma estrofe.

É só andar pela empresa para ouvir a toada melancólica das cabeças baixas, dos olhares vazios, das testas enrugadas, dos semblantes entristecidos. A falta de comprometimento reina no ambiente de trabalho e as pessoas se arrastam… Vivacidade, energia e disposição são artigos raríssimos nesse ambiente. Aliás, se aparecem aqui e ali como bóias de salvação, prontamente se apagam, pelo peso do entorno. A música sonolenta é embalada pela surda burocracia.

Todo líder quer que as pessoas tomem iniciativas, assumam responsabilidade e produzam resultados. Mas como alcançar essas metas se a música reinante conduz a contexto comportamental oposto?

Em busca do acorde perfeito

A música pode ser geradora de adrenalina ou de endorfina. A trilha sonora de um filme de suspense contribui decisivamente para aumentar o efeito de uma cena aterrorizante. O coral de uma igreja ajuda a criar sentimentos de enlevo e religiosidade. Assim, é também, o trabalho. Pode ser considerado desgastante e aborrecido ou gratificante e estimulante.

Depende da melodia que ressoa no ambiente. Afinal, qual é a música que você deseja para a sua empresa? Como é que se compõe e se rege uma canção agradável aos ouvidos de todos? Qual é essa música que leva as pessoas a dançar no ritmo certo, com passos firmes, brilho nos olhos, comunicação assertiva e comprometimento total?

Primeiramente, pense em acordes, ou seja, nos acordos que precisam ser firmados internamente. Esses acordos devem tomar como base os valores que configuram uma identidade. Equilibre os valores organizacionais, de competitividade, produtividade, qualidade, resultados, com valores virtuosos, atitudes pró-ativas, excelência, comprometimento, união, etc. Afinal, os valores dão o tom e as atitudes definem a dança, com ritmo e harmonia.

Preste atenção nos instrumentistas da sua orquestra. Alguns podem não ter consciência de que fazem parte dela, nem da importância que têm ou da influência que exercem. É imprescindível que todos compreendam como é fundamental produzir a MÚSICA. Que todos saibam reconhecer as afinações e as desafinações. Como?

Cabe ao RH e regentes apoiar seus times para desenvolverem suas potencialidades, diminuir os ruídos, afinar os instrumentos, entrar no ritmo, transformando o ambiente de trabalho em local de aprendizado e resultados.

Depois, abra espaço para os clientes, fornecedores, investidores, parceiros e outros agentes importantes do seu negócio. A partitura já está esboçada, é hora de definir outros ritmos.

Deleite-se

A boa música é agradável aos ouvidos porque tem pausas. Sem intervalos, qualquer música soa como uma sirene, dessas que levam a gente a tapar os ouvidos, de tão agressivas. As pausas são fundamentais para a reflexão, o planejamento, as estratégias, o aprendizado, etc. No fundo, é a bela mistura de som e silêncio que produz a melodia mais bela e poderosa de uma música marcante. A que encanta quem ouve e eleva quem toca. Seja o regente desse desafio e forme sua orquestra.

Desenvolva seu time para que todos sejam capazes de ser integrantes dessa orquestra, valorize sua batuta como gestor, que potencializa as notas musicais harmonizadas, estimulando todos a alçarem novos voos. A motivação do time vai ao auge com excelência, pois as dinâmicas musicais registram na essência das pessoas o poder da música nos negócios, com foco nos detalhes, ritmos, sintonia com o outro, fortalece as habilidades de comunicação, trabalho de equipe, comprometimento com resultados, entre outras. Cada um é uma nota, um detalhe musical, que na soma resulta em uma linda melodia a ser tocada por uma orquestra de $uce$$o e gerida com maestria.

Na certa, o que resulta um conjunto de talentos em harmonia é o aplauso da plateia. E, claro, os pedidos de bis!

Por Helena Ribeiro – 06/2012

Empresária, Coaching Executivo, Consultora, Palestrante, Escritora e Presidente das empresas do grupo Razão Humana Consultoria. Especialista na Metodologia Vivencial ao Ar Livre e Consultora Sênior em projetos de aquisições e fusões de empresas.

Veja currículo completo  http://www.helenaribeiro.com/blog/sobre/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *