Inteligência Espiritual

Uma Competência Essencial ao Empreendedor

As corporações, sempre comprometidas com melhores resultados, se servem de metas e estratégias arrojadas. Para acompanhar o ritmo buscam profissionais com perfis capazes de inspirar e influenciar positivamente outros para a ação, bem como a eles mesmos. Afinal as mudanças nas organizações são constantes e os profissionais são postos à prova, sempre!

As empresas querem que os profissionais sejam capazes de agir com qualidade, eficácia, que superem desafios, independente de ambientes turbulentos ou estáveis. Porém, como adquirir experiências e competências para se sobressair ? Principalmente em circunstâncias imprevistas e de forte pressão dentro das organizações e na família, ou seja, na vida? Este é o desafio da humanidade.

A Evolução das Inteligências 

Dada a importância nas pesquisas sobre evolução das inteligências na humanidade, em 2000, a física e filósofa norte-americana, Danah Zohar, publicou o livro “QS – Inteligência Espiritual”. Segundo ela, a Inteligência Espiritual (IE) é a base para que as demais inteligências – intelectual, emocional, entre outras, operem de modo mais equilibrado. Tornando o ser humano uma pessoa espiritualizada e mais preparada para a vida.

Vários pesquisadores afirmam que pessoas que tem Inteligência Espiritual são consideradas espiritualizadas, vibrantes. E conseguem ressoar seu entusiasmo – independente de religião ou posição social. Obtendo assim,  a excelência não somente por meio de técnicas, dinamismo e inteligência, mas pela capacidade de estabelecer conexão emocional com os outros. Sempre utilizando suas habilidades de Inteligência Espiritual, como empatia, assertividade, autoconfiança entre outras. Nós, empreendedores, devemos nos valer destas ricas informações para desenvolver e/ou aperfeiçoar cada vez mais nossa Inteligência Espiritual e da equipe, utilizando-a no trabalho, família e sociedade.

 

Atitudes de um empreendedor espiritualizado

Identifica-se uma pessoa espiritualizada praticamente por suas palavras e atitudes que condizem com suas ações do cotidiano. No geral, são pessoas que distinguem a diferença entre religiosidade e espiritualidade. Não polemizam sobre crenças, dogmas, valores e religião, com pessoas cujas opiniões sobre estes assuntos são radicais e que normalmente querem impor suas crenças como pura verdade. Em suma, existem muitos espiritualistas que não são religiosos, como existem muitos religiosos que não são espiritualistas.

 

A Inteligência Espiritual nos Negócios

Em várias organizações há muitos profissionais com inteligência espiritual, inclusive em grau evoluído. Mas muitos têm dificuldade em aplicá-lo totalmente no cotidiano. Ainda existem empresários que não valorizam a Inteligência Espiritual como uma importante competência a ser desenvolvida e/ou aperfeiçoada. Principalmente na liderança e demais funcionários.

 

Exemplos de pessoas espiritualizadas

Ao longo da história surgiram grandes líderes com alto grau de Inteligência Espiritual. Entre eles: Gandhi, Nelson Mandela, Madre Tereza de Calcutá, Chico Xavier, Princesa Diana, Ayrton Senna, Betinho, Jesus Cristo, Dalai Lama, entre tantos outros. Aliás, se você for um empreendedor espiritualizado, estará se identificando comigo neste artigo.

Todo ser humano pode ser espiritualista? 

Há pessoas que já nascem com esta competência, o que as torna um ser humano diferenciado, podendo se destacar na história da humanidade, como os exemplos citados.

Para quem não a possui, ela pode ser desenvolvida em sua grande maioria, mas acredito que infelizmente nem todas as pessoas conseguirão, pois o caminho não é tão simples. Isto transcende o conhecimento técnico, a forma de convívio com as pessoas e sociedade.  Também é preciso entrar em contato com seu “eu interior”, “virar a lupa para dentro. Rever suas atitudes, comportamentos, palavras e principalmente, encontrar um canal direto com seu “deus interior”. Estimula a auto-reflexão da sua competência intrapessoal e a importância da busca constante do equilíbrio entre as inteligências: Intelectual, Emocional, Espiritual e demais. Afinal, o autoconhecimento e desenvolvimento podem ser constantes, só depende do quer do ser humano.

Indo além…

uma quadrilha de criminosos, pedófilos, estupradores, políticos corruptos, os “colarinhos brancos”. Entre tantos absurdos que vemos e ouvimos, até encontramos muitos religiosos entre essas pessoas que, infelizmente, não são espiritualistas. Enfim, é desejo da humanidade que eles um dia se arrependam de seus atos. Que paguem através da justiça por seus crimes e posteriormente, por suas novas atitudes, se merecedoras, desenvolvam a espiritualidade.

Inteligência Espiritual em Destaque

Como os estudos e pesquisas sobre Inteligência Espiritual têm pouco mais de uma década, ainda são escassos autores escrevendo sobre sua importância na vida, nas empresas e na sociedade, o que deve mudar nesta década.

Venho pesquisando desde 2002 sobre a importância desta competência nos negócios, incluindo entrevistas com espiritualistas, religiosos, leituras, reuniões com grupos de interesse sobre o tema, entre outros estudos sobre os resultados desta competência nas organizações, na vida e na evolução da humanidade. Nos últimos anos, tenho proferido palestras sobre o tema e em vários treinamentos de equipes abordo a importância da competência espiritual no perfil do profissional competitivo, auxiliando pessoas a desenvolverem cada vez mais sua espiritualidade. Este é o terceiro artigo que escrevo sobre o tema e acredito que a próxima década seja um marco de divulgação e valorização da Inteligência Espiritual nas organizações, na família e sociedade.

Afinal, empreendedores e executivos muitas vezes trabalham longa jornada, moram em hotéis, viajam muito, dormem em aviões etc. Muitos são “nômades” casados, separados, divorciados, solitários. Profissionais que muitas vezes inconcientemente vivem em função do trabalho e negligenciam a saúde, entre outras coisas também importantes na vida pessoal.

Essa engrenagem, muitas vezes massacrante, pode resultar numa vida controlada pela lógica dos mercados e muito sucesso profissional, mas se não tomarmos cuidado ela abalará cada vez mais a nossa saúde emocional. Laços e valores familiares se enfraquecem, a saúde fica vulnerável, até o amor por si próprio muitas vezes pode ficar em segundo plano. Enfim, devemos tomar cuidado com estes sinais, porque elem nos levarão ao estresse. Se é que você leitor, já não está estressado… risos.

No início dos anos 90,

o estresse se alastrou para todas as classes sociais, sem distinção e encontrou no estilo “nômade” seu melhor hospedeiro.

O empresário “nômade” normalmente não tem uma rotina de alimentação saudável, sem tempo para praticar exercícios físicos, encontrar com os amigos etc. Tudo isso, aliado às pressões profissionais, novos desafios, obstáculos, entre outras centenas de responsabilidades de um empresário ou executivo, que muitas vezes não encontram tempo para realizações emocionais e dedicação familiar. O pior é que um empreendedor “nômade” pode ser um propagador do estresse na sua empresa e até na família. Portanto, a administração do tempo com o profissional, educacional, familiar, saúde, amigos e lazer, pode ser obtido pelo uso da inteligência racional, emocional, deixando a espiritual “falar” mais alto para equilibrar as demais. Afinal, a vida dos empresários “nômades” vai continuar existindo em maior ou menor intensidade. Porém cabe a nós, empreendedores, presidentes de empresas, executivos e demais profissionais, darmos o devido valor na nossa vida! Ou VOCÊ acredita que alguém pode fazer isto por VOCÊ?

Se você chegou até aqui, é porque o assunto despertou seu interesse e fico muito feliz. Até breve!

Helena Ribeiro é Colunista da Revista Clube de Empreendedores, e esse artigo foi publicado este artigo na Edição de Maio de 2011.

Menu